Biotoscana: temporada de resultados 1T19

15 de maio de 2019 - 14h24
Segmento: Empresas
Fonte: Lopes Filho

Números seguem refletindo a descontinuidade de um importante contrato, além da Hiperinflação e câmbio desfavoráveis na Argentina. Biotoscana reportou um resultado que ainda sente os efeitos da descontinuidade do portfólio da Actelion. Ainda que o uptake dos produtos recém-lançados apresente um bom ritmo, não foi o suficiente para amenizar o impacto. Além disso, Hiperinflação e câmbio desfavoráveis na Argentina, segundo maior mercado da companhia, completam o cenário desafiador. Ex-Actelion, a receita em moeda constante ficou praticamente flat a/a, sugerindo uma dificuldade para reequilibrar o perfil do portfólio, que vem sendo onerado por produtos maduros. A Companhia continua enfrentando um ambiente desafiador na Argentina, refletindo negativamente nas principais linhas do resultado. Destaque positivo para ABRAXNE e HALAVEN que são lançamentos recentes e já fazem parte dos “TOP 10” produtos. Um dos focos da Companhia é a expansão de medicamentos já lançados para outros países. A falta de moléculas em fase final de negociação representa um alerta, dado que é uma proxy de lançamentos no curto prazo. Neste aspecto, seria importante termos visibilidade sobre o estágio de negociações de cada ativo nos esforços de construção do pipeline. Ainda assim, a Companhia apresenta um modelo asset light e capacidade de absorver choques relevantes, mantendo um ROIC alto, conforme visão divulgada no último relatório. Outro aspecto relevante é a manutenção de relações muito próximas com desenvolvedores e laboratórios que trabalham em moléculas com alto potencial de geração de valor. O modelo da Biotoscana não é linear ou tradicional e a tese de investimento passa necessariamente pelo reconhecimento desta dinâmica peculiar. Por fim, o longo ciclo de maturação de novos medicamentos e a falta de investimentos entre os anos de 2016 e 2017 estão cobrando seu preço. Porém, considerando que a empresa vive, no momento, uma tempestade perfeita e está no piso de seu ciclo econômico, com a estratégia de expansão geográfica de medicamentos que já foram lançados em alguns países apenas no início, identificamos assimetria no papel, com upside de 70%. Em nossa opinião, GBIO33 é um interessante investimento para quem tem visão de longo prazo.

A Novinvest Corretora de Valores Mobiliários Ltda. não se responsabiliza pelo conteúdo, notícias, opiniões, informações, indicações, dentre outros de nossos parceiros e/ou referências.