De olho na Abertura da Bovespa

11 de junho de 2019 - 09h48
Segmento: Mercados
Fonte: Lopes Filho

As principais bolsas europeias e os índices futuros de Nova York operam em alta diante da manutenção do otimismo depois de EUA e México chegarem a um acordo sobre a crise migratória, o que evitou a imposição de tarifas de 5% a todos os produtos mexicanos. Na China, autoridades prometeram apoiar emissões de bônus por governos locais, depois de Pequim conceder aval à tomada de recursos para ajudar a impulsionar o crescimento econômico. O governo ampliará esforços para acelerar o financiamento de grandes projetos por meio dessas emissões, que são usadas basicamente para gastos em infraestrutura. Na agenda, tem o resultado da inflação medida pelo PPI em maio dos EUA, o relatório API sobre estoques de petróleo na semana até o dia 7 de junho, além de dados chineses sobre os índices de preços ao consumidor e ao produtor em maio e sobre investimento estrangeiro direto no país.

O S&P 500 futuro opera em alta de 0,44% e o Euro Stoxx também sobe 0,79%. As bolsas asiáticas fecharam em alta nesta terça-feira, lideradas pelas chinesas. Os futuros de petróleo operavam em alta na madrugada, à medida que o dólar se estabilizou em reação ao acordo fechado entre EUA e México.

O mercado local pode ser impulsionado pelo otimismo do exterior com as novas medidas de estímulo à economia, mas o dia em Brasília será agitado. Hoje tem reunião de governadores para discutir a permanência dos Estados na reforma da Previdência e a votação na Comissão Mista de Orçamento do projeto sobre crédito suplementar que o governo solicitou ao Congresso. Ontem o relator do projeto, Hildo Rocha, disse que o Centrão selou um acordo para aprovar o texto, que libera R$ 248,9 bilhões em gastos com aposentadorias do INSS, subsídios agrícolas, benefícios assistenciais a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda e Bolsa Família. Sobre a reforma da Previdência, o relator, Samuel Moreira, deve apresentar seu parecer sobre a permanência dos Estados na quinta-feira. Em meio a agenda, está o escândalo do vazamento de mensagens do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e integrantes da Lava Jato. Líderes do Congresso avaliam que a divulgação dessas mensagens por The Intercept pode abalar um dos principais pilares de sustentação popular do governo, segundo a Agência Estado. A Segunda Turma do STF deve decidir no final do mês se Moro foi parcial ao condenar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do triplex do Guarujá. No radar, estão debate realizado pela Frente Parlamentar da Agropecuária sobre a retirada da aposentadoria rural do projeto de reforma da Previdência; sessão plenária no Congresso para análise de cinco vetos presidenciais, entre eles o que anistia partidos políticos; reunião entre líderes dos partidos de oposição para debater medidas a serem tomadas no caso do vazamento de mensagens de Moro e o evento na Fiesp do qual o presidente Jair Bolsonaro participa.

Às 9h45, o Ibovespa futuro registrava alta de 0,94%.

Segundo a nossa equipe de análise gráfica, segue buscando a resistência dos 98.300, onde a superação deste ponto abriria espaço para reforçar tendência de alta. Do lado inferior, em caso de novos movimentos de realização de lucro, encontraria suporte nos 97.000 e nos 96.800.

Lembramos que o Ibovespa é um índice, ou seja, reflete apenas o comportamento misturado das ações líderes, de modo que as análises individuais devem ser observadas no módulo de Análise Gráfica.

Bom dia e bons negócios!

A Novinvest Corretora de Valores Mobiliários Ltda. não se responsabiliza pelo conteúdo, notícias, opiniões, informações, indicações, dentre outros de nossos parceiros e/ou referências.