Termômetro do Mercado: Agenda de política econômica no radar

26 de março de 2020 - 12h30
Segmento: Mercados
Fonte: Lopes Filho

A volatilidade dos mercados continua alta, mas é a agenda de políticas econômicas para minimizar o impacto da pandemia de Covid-19 sobre a atividade global que centra a atenção dos investidores no Brasil e exterior.

Por aqui, o mercado aguarda novas medidas do governo para conter o tombo que a economia vai ter como consequência do crescimento de casos de contaminação pelo novo coronavírus. Muitas empresas brasileiras já anunciam ações, enquanto o Congresso articula a apreciação de novos projetos.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou ontem que a partir de segunda-feira, um "orçamento de guerra" deve estar pronto. Paralelamente, em carta, 26 dos 27 governadores reiteraram ontem que manterão o isolamento total para evitar uma maior propagação do vírus, contradizendo o pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, que prescreve "isolamento vertical".

No noticiário corporativo, destaque para Via Varejo, dona das marcas Casas Bahia e Ponto Frio, que informou um lucro líquido de R$ 78 milhões no quarto trimestre, revertendo o prejuízo de R$ 282 milhões visto um ano antes. O Ebitda ajustado cresceu 91,4% no quarto trimestre, para R$ 605 milhões. A posição de caixa total estava em R$ 4,4 bilhões, e o caixa líquido ajustado foi de R$ 2,2 bilhões.

A varejista já havia divulgado valores preliminares de caixa, em meio a questionamentos de analistas a respeito de sua liquidez. Essa linha dos balanços corporativos ganhou importância com a crise do coronavírus, que deve impactar a geração operacional das empresas no segundo trimestre. Outras varejistas divulgaram a posição líquida nos últimos dias.

Já a Locaweb, na primeira divulgação de resultado após seu IPO, apresentou números bastante sólidos e em geral em linha com nossas estimativas. A receita líquida no ano avançou 22,5%, chegando a R$ 385,7 milhões, enquanto o Ebitda avançou 40,3%, atingindo R$ 110,9 milhões, com uma margem Ebitda de 28,7% (+4,5 pp a/a), fruto de uma maior alavancagem operacional. Gostamos bastante dos resultados da companhia e vemos como um primeiro sinal de sua capacidade de execução.

A estatal paranaense de energia Copel teve lucro líquido de R$ 596,5 milhões no quarto trimestre de 2019, alta de 97,5% na comparação com igual trimestre de 2018. No mesmo período, a receita líquida foi de R$ 4,4 bilhões, o que representou um avanço de 20,2%.

Hoje, às 14 horas, o Diretor Presidente da Copel, Daniel Pimentel Slaviero, participa de uma live exclusiva no nosso canal do YouTube para comentar os resultados da companhia, perspectivas e as iniciativas para mitigar os efeitos econômicos e sociais do coronavírus no Paraná.

A JBS teve lucro líquido atribuído aos controladores de R$ 2,435 bilhões no quarto trimestre de 2019, 332,4% acima do registrado no mesmo intervalo de 2018. Com a participação dos minoritários, o lucro foi de R$ 2,513 bilhões, avanço de 356,5%. O Ebitda ajustado alcançou R$ 5,7 bilhões, alta de 67,2%. A margem Ebitda foi de 9,9%, ante 7,2% um ano antes. A geração de caixa livre da empresa foi de R$ 9,5 bilhões no ano passado, alta de 110% ante 2018.

Em nossa opinião, o resultado da JBS do 4T19 da JBS foi acima das nossas expectativas já otimistas, reflexo principalmente da melhora de rentabilidade da Seara e JBS US Beef e JBS US Pork.

No plano externo, mercados ensaiam uma realização de ganhos recentes, em meio a expectativa de aprovação do pacote fiscal nos Estados Unidos. O projeto, que prevê injeção de US$ 2 trilhões na economia, foi aprovado nesta madrugada pelo Senado e segue para a Câmara.

A Novinvest Corretora de Valores Mobiliários Ltda. não se responsabiliza pelo conteúdo, notícias, opiniões, informações, indicações, dentre outros de nossos parceiros e/ou referências.